Caravana da Cultura

17/04/2015 19:20:28

alt

O Teatro do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (IRDEB) abrigou na manhã da segunda-feira, 13.04, a edição Nordeste do “Diálogos em Rede”, debate aberto ao público sobre a participação social no Ministério da Cultura, que também discutiu a criação do Gabinete Digital do MinC, o planejamento de reestruturação do Conselho Nacional de Políticas Culturais – CNPC e a definição de um novo modelo de Conferência Nacional de Cultura.  Participaram do debate o secretário de Articulações Institucionais, Vinícius Wu, o secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, Carlos Paiva, o secretário do Audiovisual, Pola Ribeiro, o professor e pesquisador de Comunicação e Política, Wilson Gomes, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o professor doutor da UFBA, Ernani Coelho Neto, a coordenadora pedagógica do Ponto de Cultura Bankoma, Eliana Sousa, e Maria Fulgência, do Ponto de Cultura Odu Odara. Na platéia, e a presença de diversas personalidades do cenário cultural baiano, como o cantor e compositor Gerônimo, a cantora Carla Visi e a produtora e atriz Fernanda Paquelet.

O secretário do Audiovisual, Pola Ribeiro, considera que o Minc está criando uma ação de sinalização com a sociedade para formular as políticas públicas, “o estado brasileiro se comunica mal em todas as instâncias, e a gente tem que avançar para consolidar a democracia nessa transparência das relações da construção conjunta”, disse, ressaltando que o Ministério da Cultura está fazendo essa ação em vários estados brasileiros, colhendo informações para ajustar uma estratégia de comunicação para formular essas políticas públicas. Já o secretário Vinícius Wu, de Articulação Institucional, afirmou que o MINC está ouvindo à sociedade a fim de estabelecer um diálogo amplo, aberto, e redesenhar o modelo do Conselho Nacional de Política Cultural e da Conferência Nacional de Cultura. Isso irá possibilitar a criação de novos mecanismos para que a sociedade possa interferir de fato na definição das políticas públicas de cultura, “esse é o nosso objetivo, e acreditamos que essa rodada de debate vai enriquecer bastante o processo, e certamente apontar caminhos para que a gente potencialize esses canais de participação”, concluiu.

Na terça-feira, 14.04, o ministro de Cultura, Juca Ferreira, participou de uma roda de conversa no Teatro Vila Velha com a classe artística baiana, que contou ainda com a presença dos secretários estaduais de Cultura, Jorge Portugal e Da promoção da Igualdade Racial, Vera Lucia Barbosa, do presidente da Fundação Palmares, Hilton Cobra, e dos secretários de Articulações Institucionais, Vinícius Wu, de Fomento e Incentivo à Cultura, Carlos Paiva, e do Audiovisual, Pola Ribeiro. O encontro fez parte da programação da Caravana da Cultura, que fará encontros nas cinco regiões do país. O público, formado por representantes das mais diversas manifestações artísticas do estado pôde participar fazendo perguntas. Os internautas interagiram simultaneamente com a hashtag #CaravanaDaCultura pelo portal www.irdeb.ba.gov.br. Sob os comando da atriz Maria Marighella, os participantes, e especialmente o ministro Juca Ferreira, responderam às perguntas. Após a conclusão dos debates em todas as regiões do país, será produzido um documento de referência para reformulação e ampliação social do sistema Minc.

Durante a abertura do encontro um coletivo de capoeira formado por sete mestres, entre eles o cantor e compositor Tonho Matéria, realizou uma roda de capoeira e levou as reivindicações das categoria. “Estamos aqui hoje para abraçar o ministro e ao mesmo tempo entregar uma carta com pedidos de algumas políticas públicas que a capoeira necessita. Na verdade essa carta busca um diálogo que possa criar ações afirmativas para a classe capoeirista”, declarou Tonho Matéria. Logo em seguida o secretário de Cultura da Bahia, Jorge Portugal, abriu o debate parabenizando o ministro Juca Ferreira pelo trabalho feito em 2010, que “trouxe para a cultura do Brasil uma grande revolução, quebrando paradigmas e iniciando uma nova era na forma de entender cultura, promovendo uma verdadeira democracia cultural no país”, afirmou.

O ministro Juca Ferreira iniciou seu pronunciamento dizendo que acredita que política pública não é construída dentro do gabinete, principalmente política de cultura. “Democratização se constrói dialogando, isso é a matéria prima no processo de reformulação dos programas políticos. A gente não tira do coletivo propostas, a gente dialoga e vai construindo os processos”, disse. E muitos temas importantes foram levantados pelo ministro e pelo público, como a parceria com o Ministério da Educação e a reforma da Lei Rouanet. Durante o encontro Juca Ferreira escutou e respondeu às perguntas e aos manifestos, sugerindo que o tempo não fosse somente para formular perguntas. No final, o Secretário de Cultura da Bahia, Jorge Portugal, afirmou a sociedade artística baiana e a sociedade civil podem esperar mais debates, construção conjunta e implementação das sugestões que foram dadas ao decorrer da Caravana da Cultura.