Semana do Audiovisual encerra com boa recepção do público

30/09/2014 14:05:09

 

alt

Cerca de 100 filmes produzidos na Bahia neste século XXI estiveram em cartaz na “Semana do Audiovisual Baiano Contemporâneo”, de 21 a 28 de setembro, em cinco salas de cinema de Salvador. Em paralelo, produtores culturais, cineastas, técnicos, atores, estudantes e aficionados por cinema também tiveram a oportunidade de debater e aprender mais sobre a produção audiovisual na Bahia. O evento foi uma realização das Secretarias Estaduais de Cultura – através da Diretoria de Audiovisual (Dimas) da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) e de Comunicação – através do Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia (IRDEB) - e do Ministério da Cultura – Regional Bahia e Sergipe, com apoio de várias instituições parceiras.

Durante os oito dias de evento, as exibições de filmes e as mesas de discussão geraram encontros e debates sempre positivos e com o intuito de fomentar a produção audiovisual no estado. Confira o que algumas pessoas presentes na Semana do Audiovisual comentaram sobre o evento:

 

"A distribuição é um problema grave não só do cinema; é do livro, dos bens culturais no geral. Não é especificamente um problema só do audiovisual. É um problema grave porque a distribuição está nas mãos dos grandes esquemas, das grandes empresas e, então, isso cria um grande problema."

Albino Rubim, Secretário Estadual de Cultura

 

"A expectativa depois de 5 anos é muito grande, porque você rodar um filme e só ver o resultado depois de tanto tempo e como é que isso vai ser passado, como vai ser a recepção e repercussão disso com a plateia, enfim. Estamos a princípio muito felizes por estar iniciando essa jornada que agora é a distribuição desse filme."

Aldri Anunciação, ator do filme Revoada

 

"Nós entendemos que dentro do mercado audiovisual existem várias lacunas. A gente está estimulando que alguns segmentos na área de figurino, cenografia, produção de objetos possam ser contemplados na cidade."

Danilo Barata, cineasta, professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

 

"O evento é importante. Fiquei muito motivada ao participar dele. Estou vendo que tem tido uma boa repercussão entre o público. Acho importante discutir a formação não só universitária, mas técnica. Sem essa profissionalização, a coisa fica muito na informalidade."

Milene Gusmão, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)

 

"Tivemos uma diversidade de opiniões, uma heterogeneidade dentro das possibilidades de organização dos cursos. E, para mim, foi bastante interessante como podemos fazer um diálogo entre o espaço acadêmico e o espaço de produção em si."

Janine Falcão, estudante

 

"Estou querendo me inteirar da cultura de Salvador. Estou achando muito legal essa iniciativa, para que essas pessoas coloquem seus trabalhos e coloquem também suas expectativas. Então minha expectativa é conhecer as expectativas deles."

Marcia Carlo, administradora

 

"A animação é o segmento mais promissor que tem. Estou falando do meu segmento e é bom a gente conhecer o que as outras pessoas estão produzindo. Apesar de estar na área, acabo sabendo de coisas novas. Na verdade, acaba virando um networking em que as coisas se fortalecem, você acaba se articulando, organizando novas ideias, novos enfrentamentos políticos para que assim o segmento se fortaleça."

Candida Liberato, produtora

 

"Em todos os meus anos de trabalho com a animação, de fazer com que as pessoas interagissem com todo o processo e o tempo de lidar com animação, achei que essa oportunidade é a mais animadora que eu tive. Reuniu quem está fazendo animação, pessoas que, assim como eu, são pioneiras."

Chico Liberato, artista plástico e cineasta

 

"A TVE está há muito tempo flertando com a animação. Desde as vinhetas que foram feitas no "Bahia Singular e Plural" com a obra de Carybé, a essa participação de Caó presente nos últimos 8 anos. (...) É obrigação de quem faz Audiovisual dar espaço pra animação, pra além das nossas animações do dia-a-dia, que são as vinhetas."

José Araripe Jr., diretor geral do IRDEB

 

"Eu acho que deve acontecer mais eventos como esse. Sinto falta de uma participação mais efetiva das pessoas envolvidas com animação na Bahia. Acredito que tem muita gente que quer ingressar nessa área, mas falta oportunidades, orientação e informação."

Caó Cruz Alves, cartunista e animador